Esta dúvida deixa estudantes de português de cabelo em pé

Em “E não se diga que Mário Quintana haja sido insensível às legítimas exigências da poética contemporânea…”,  a expressão “às legítimas exigências da poética contemporânea” desempenha a função de:
a) objeto direto
b) sujeito
c) adjunto adnominal
d) complemento nominal
e) objeto indireto

Quem estuda análise sintática sabe que o objeto direto, o objeto indireto e o agente da passiva complementam verbos. No entanto, há um complemento dos nomes e do advérbio, muito semelhante ao objeto indireto, já que também depende do auxílio da preposição, chamado de complemento nominal.

Claudio Henriques, em uma das minhas obras favoritas sobre Sintaxe, exemplifica:

“Temos ódio aos nazistas.”

“Odiamos os nazistas.”

Em “ódio aos nazistas“, percebe-se o complemento nominal, já que “ódio”, um substantivo, é complementado.

 No entanto, em “Odiamos os nazistas.”, percebe-se o objeto direto:  complemento verbal, sem a presença da preposição.

Ratifiquemos essas funções sintáticas com dois novos exemplos:

“Sua opinião é favorável ao povo.”

“Sua opinião favorece o povo.”

 Em “favorável ao povo”, há um complemento do adjetivo “favorável”, ou seja, complemento nominal.

 Já em “favorece o povo”, o complemento é do verbo “favorecer”, sem o auxílio da preposição:  objeto direto.

Diante disso, só podemos dizer que o termo destacado (na questão inicial deste texto) é um complemento nominal, opção da letra d. É a expressão “às legítimas exigências da poética contemporânea” preposicionada e com a função de completar o adjetivo “insensível”.

(Fonte: Exame) 

Lista de notícias

Contato