A Empresa

A missão da ADCom Comunicação Empresarial é criar, consolidar, fortalecer e valorizar a imagem e reputação de empresas, instituições e profissionais junto a seu público alvo e à sociedade, por meio de comunicação integrada. Nosso trabalho tem como meta aumentar o encantamento pela marca, tornando o consumidor fã dela e, também, um disseminador de seu nome. Esta paixão possibilita à empresa praticar valores mais justos e lucrativos. Integramos distintas formas de comunicação para geramos maior visibilidade e transformarmos, de forma moderna e antenada, o assessorado em referência no seu segmento para que seu público fique cada vez mais encantado. 

Serviços

  • Relacionamento com a Imprensa

    O Relacionamento com a Imprensa, conhecido como Assessoria de Imprensa, visa dar ênfase ao envio de informações sobre o cliente à mídia impressa, eletrônica e on line para que ele se transforme em fonte em matérias jornalísticas. Esta ação agrega valor, aumenta a reputação e lembrança do nome de forma direta e indireta, atingindo diferentes públicos de interesse, de forma maciça e mais abrangente.
  • Publicações

    Desenvolvimento de publicações digitais ou impressas (jornais, revistas, newsletters, material publicitário, entre outros) com o objetivo de valorizar, institucionalmente, o cliente, atingindo e se relacionando com o público alvo, abrindo o diálogo e levando a ele informações de valor e interesse. 
  • Geração de Conteúdos

    Desenvolvemos todos os tipos de conteúdos para os mais diferentes fins. São eles: matéria jornalística, livro, blog, rede social, redação publicitária, release, newsletter, revista, jornal, sites, portais, entre outros. São textos, fotos, vídeos, podcasts (áudios), com o conteúdo pertinente àquele meio e ao público ao qual se destina. Fazemos geralmente um "cross media", onde um meio complementa o outro de forma atraente e envolvente. Estamos sempre antenados com as novas tendências e como potencializar seu uso com uma comunicação inteligente, criativa e de resultados.
  • Sites e Portais

    O site do cliente deve ter uma apresentação moderna, dinâmica e ser atualizado constantemente para geração de interesse.

    A ideia é abastecermos continuamente com notícias sobre a empresa e meio de atuação, com artigos assinados pelos diretores, com imagens, gráficos, vídeos, entre outros materiais que gerem interesse e levem informação de qualidade para o internauta.

    Atualizamos também conteúdos estáticos existentes e gerenciamos a contratação de profissionais, por exemplo, entre outras ações de relevância para este item da mais alta relevância para qualquer empresa, seja de que porte for.
  • Redes Sociais

    As redes sociais ganham importância crescente com o acesso cada vez maior de pessoas a elas pelas mais distintas formas, sendo as principais celulares e tablets.

    Por isso, devem ser tratadas com a relevância devida, aumentando o engajamento, informando e formando opinião para consolidação da reputação, bem como valorização da imagem.

    Nossa equipe elabora conteúdo (textos, fotos, vídeos, podcasts), seleciona públicos de interesse, impulsiona publicações com o foco tanto na valorização de imagem e reputação como na reversão de leads para o cliente.

    É importante sempre ser elaborado conteúdo condizente com cada rede pois cada uma delas tem a sua peculiaridade.
  • Prevenção e Gerenciamento de Crise de Imagem

    Quanto custa e quanto tempo leva para se construir um nome no mercado?

    O deslize de um funcionário, o descontentamento de cliente, a má explicação de um fato, a deturpação da informação ou até mesmo alguma fatalidade são fatores que podem arruinar a imagem e a reputação de empresas, profissionais, produtos e instituições.

    A ADCom Comunicação Empresarial, por meio de trabalho contínuo junto ao cliente, pode avaliar, prevenir, antecipar soluções e criar ferramentas específicas para situações potenciais de crise.

    E, se ela estiver instalada, resolvê-la da forma mais adequada.

    Uma crise sempre deixa sequelas graves que, se não forem corretamente trabalhadas, podem ser difíceis de reverter.
    Esta situação é, por si só, muito difícil. Porém, é importante que também se atue forte depois da ocorrência para amenizá-la de maneira substancial.
    O ideal é, desde o início desta queda, manter-se aberto ao diálogo e se mostrar acessível aos questionamentos dos públicos interno e externo, com um discurso ético, honesto e com comunicação acessível a todos.
  • Eventos

    Realizamos a cobertura in loco de eventos tanto próprios como que contem com a participação do cliente.

    É promovida divulgação jornalística pré e pós-evento para mailing de interesse e imprensa, bem como em tempo real, ao vivo, no momento que ocorre, para abastecimento das redes sociais.

    Também preparamos o presskit para a sala de imprensa e, além do apoio jornalístico, disponibilizamo-nos a sugerir ideias para maior valorização destas ações.

    Por isto, é importante que nossa equipe participe desde o momento da concepção para que se possa ter mais atrativos tanto para a imprensa como para o público de interesse. 
  • Treinamentos e Palestras

    A ADCom Comunicação Empresarial ministra palestras e treinamentos sobre o funcionamento da mídia brasileira, como lidar com a imprensa, como se portar em uma entrevista e como se comunicar com os variados públicos de interesse por meio de distintas ferramentas.

Notícias

Profissionais de RH que nunca ouviram falar disto estão ultrapassados?

Profissionais de RH que nunca ouviram falar disto estão ultrapassados?

A transformação digital no RH passa por cinco temas principais e não dá mais para não saber nada sobre elesSão Paulo – A transformação digital é um dos assuntos principais nas empresas e a área de gestão de pessoas está se tornando mais tecnológica.A Pesquisa VOCÊ RH – Deloitte, que mapeou remuneração e tendências em 18 cargos, com a participação de 173 empresas de todo Brasil em 12 setores, indicou que 62% das companhias estão investindo em novas práticas de gestão de pessoas. Aprendizado digital e analytics são os temas que têm recebido mais investimentos, segundo o estudo.Para Alexandre Uehara, consultor de inovação e Leadership Team Member da Singularity Chapter São Paulo, o primeiro passo para todo profissional que quiser acompanhar as tendências e conseguir implementar novas metodologias em seu dia a dia de trabalho é mudar de atitude e adotar uma nova mentalidade. “Não é mais trabalhar só com processos, é entender como se pode trabalhar com criatividade, colaboração, adaptabilidade”.Parte dessa mudança de mentalidade passa justamento pela abertura ao aprendizado, fator essencial para os negócios, segundo 86% das empresas que participaram da pesquisa VOCÊ RH – Deloitte. Em RH, o cargo mais valorizado, aliás, é o de gerente de desenvolvimento, já que apenas 46% das empresas se sentem preparadas para desenvolver suas equipes.Na opinião de Alexandre, a transformação digital no RH está ligada a cinco temas. “A inovação está acontecendo e uma das áreas que podem puxar essa transformação é o RH que conhece muito bem as pessoas”, diz ele, que recomenda que os profissionais procurem artigos, cursos e workshops sobre esses assuntos. Confira quais:Design Thinking A abordagem emprestada da área de marketing que prioriza a colaboração e a criatividade não exige grandes investimentos para começar a ser utilizada. “Pode-se iniciar, por exemplo, separando um time para fazer co-criações e testes em grupos específicos”, diz Alexandre.O Design Thinking pode ser utilizado desde recrutamento e seleção, integração de funcionários, e também acompanhamento de equipes.Big DataDecisões embasadas em dados (neste caso, estamos falando de big data) são, via de regra, mais assertivas. Na área de RH, o People Analytics é usado para melhorar recrutamento, contratação, promoção, planos de carreira. Segundo explica Adriano Lima, fundador da AL + People e Performance Solutions, em sua coluna na VOCÊ RH:“O People Analytics não é uma plataforma digital, mas um mindset cujo princípio é a coleta, a organização e a análise de dados aplicada à gestão de pessoas para se ter uma visão mais estratégica do papel de cada colaborador dentro da empresa”.Metódos ÁgeisA Metodologia Agile nasceu na área de TI e hoje é replicada em diferentes áreas. Seu principal benefício é que ela estimula a colaboração, adaptação e inovação.Os projetos são divididos em objetivos que são cumpridos por pequenos times multidisciplinares, os squads. Para quem nunca ouviu falar de Agile e não está familiarizado com o seu vocabulário, a metodologia foi capa da edição de março do ano passado da VOCÊ S/A .“Na prática, pode-se colocar frameworks do Ágil como Scrum e Kanban. Elas já são realidades e cases de sucesso dentro da área. Seja em projetos dentro do próprio RH seja utilizando o Kanban para o processo de recrutamento e seleção”, recomenda Alexandre.HR TechsAs HR Techs são as startups da área de RH e algumas estão transformando temas como, por exemplo, avaliação de desempenho, gestão de benefícios, folha de pagamento.“Façam parcerias, ou contratem essas HRTech como fornecedores. As startups são organizações temporárias em busca de um modelo de negócios repetível e escalável”, recomenda Uehara.Inteligência Artificial A IA pode ajudar o setor de RH a gastar menos tempo do expediente com funções operacionais e, assim, a ter mais espaço para pensar na estratégia e no desenvolvimento de equipes.Segundo o consultor de inovação, um passo interessante para o profissional de RH é verificar que serviços baseados em inteligência artificial e oferecidos por startups podem ser terceirizados.“Existem startups que utilizam a IA para filtrar os melhores candidatos, que conseguem analisar o comportamento do candidato a partir de vídeos de entrevista, que fazem cruzamentos com dados públicos de redes sociais, fazem o melhor ‘matching’ com a cultura da empresa”, indica.(Fonte: Você S/A) Saiba Mais

15 dicas sobre produção de conteúdo para redes sociais

15 dicas sobre produção de conteúdo para redes sociais

Conquistar likes e seguidores nas redes sociais é fácil. Basta investir em alguns anúncios e pronto. Mas o real objetivo de qualquer marca é criar um relacionamento duradouro com as pessoas através da produção de conteúdo nas redes sociais. Para isso, as marcas precisam se portar como amigos próximos e seguir algumas regras importantes que listamos a seguir. São 15 dicas que te auxiliarão a construir um bom relacionamento com seu público e obter um bom engajamento nas redes sociais.1. Conheça seu públicoSim, começaremos pelo ponto mais obvio. A intenção deste post é te ensinar algumas dicas sobre produção de conteúdo para redes sociais e não existe dica mais importante do que esta. Seja para trabalhar o marketing digital, marketing de conteúdo, inbound marketing ou apenas algumas técnicas de social media, conhecer seu público é essencial para o sucesso de qualquer estratégia.Definir suas personas (representações simplificadas dos clientes ideais de sua empresa) garantirá que todos os conteúdos desenvolvidos por você e sua equipe estarão de acordo com o que seu público quer ver e tem interesse.2. Fale a língua do seu públicoTão essencial quanto conhecer seu público-alvo, compreender a maneira como ele se comunica é importantíssimo para que sua mensagem seja recebida da maneira que você deseja.Cada empresa possuirá diferentes formas de abordar seus assinantes. Por exemplo, você não vai conversar da mesma maneira com um empresário e com um jovem estudante. Cada uma destas pessoas entendem e se identificam com um tipo de linguagem diferente.Compreenda quem é seu público, a maneira como eles se comunicam e como é que você deve abordá-los.3. Se coloque no lugar do seu públicoNa hora de postar qualquer conteúdo, se coloque no lugar da sua audiência e se pergunte:O que eu ganho com este conteúdo?Este conteúdo é útil para mim?A postagem contém algo que possa me auxiliar a resolver algum problema?Este exercício parece simples mas é muito importante. Ao tentar responder esta pergunta com os olhos do seu público, você consegue produzir conteúdo mais atraentes e que vão gerar maior engajamento de seus seguidores. Aposte na curadoria de conteúdo para compartilhar materiais relevantes.4. Mantenha uma comunicação aberta com seus seguidoresFaça perguntas, peça a opinião e escute tudo que o seu público falar para você ou de você. Permitir que exista esta interação entre sua marca e os seguidores te auxilia a criar um bom relacionamento com sua audiência e ainda permite que você consiga ter novas ideias sobre conteúdos que podem ser uteis.Então, sempre que postar algum artigo no Twitter, Facebook, Linkedin ou outra rede social, pergunte o que seu público acha. Incite uma discussão. Além do seu público se sentir incluído, ele estará mais disposto a interagir com você.5. Crie conteúdo sob medida para cada plataformaEsta dica vai para você que posta o mesmo conteúdo, da mesma maneira, em todas as redes sociais. Copiar e colar um texto ou imagem em diferentes lugares pode não ser uma ideia tão boa.Cada rede social tem um formato de conteúdo que engaja mais. Postar conteúdos únicos e exclusivos em plataformas diferentes garante que seu conteúdo será entregue da melhor maneira possível para seus seguidores.Utilize imagens, vídeos, podcasts e quaisquer outros formatos que façam sentido para seu público e as redes sociais que você utiliza.6. Invista em formatos diferentesVariar o formato do conteúdo que você produz é uma ótima maneira de chamar a atenção e ganhar relevância. Quanto mais você diversificar sua mensagem, menos as pessoas vão se entediar e mais elas vão s/e engajar com você.Inclua imagens, ilustrações ou até vídeos nas mensagens de texto. O Twitter, por exemplo, valoriza muito os conteúdos imagéticos. Já o Facebook tem dado ótimos resultados para conteúdo em vídeo.7. Gamifique seu conteúdoGamificação é o ato de transformar um conteúdo em uma experiência, em um jogo. É entregar algo divertido que une diversas plataformas e formatos para oferecer uma experiência interativa e interessante para seu público. Este tipo de ação garante um ótimo grau de interatividade e é capaz de envolver seu público de uma forma única.8. Seja humanoQuando for responder uma mensagem no Facebook, um tweet ou um comentário no LinkedIn, lembre-se de não ser um robô. Haja como uma pessoa e não apenas como um perfil empresarial. Seja educado, cordial e lembre-se de mostrar que você está ali para auxiliar seu público.Ter este tipo de relacionamento com sua audiência garantirá que sua página seja bem vista pelos seus seguidores.Algumas empresas levam esta dica tão a sério que criaram personagens para suas páginas. Ótimos exemplos são os perfis do PontoFrio e Magazine Luiza no Facebook.9. Escolha onde precisa estarFacebook, Twitter, Instagram, Linkedin, Google+, Pinterest, Snapchat, Foursquare, Reddit. A cada tempo que passa, uma nova rede social é criada com um objetivo e uma proposta diferente. É muito importante ter a noção de que você não precisa estar presente em todas elas. É preciso analisar, ao escolher onde você vai atuar alguns itens, como, por exemplo:Qual é o diferencial que cada uma ofereceOnde ela se encaixa dentro de sua estratégia de marketing digitalOnde o seu público é mais presenteSe você tem condições e equipe para alimentar conteúdo em tantas redesO último item é muito importante, pois, de nada adianta sair por aí cadastrando o perfil da sua empresa em cada rede social nova que é lançada e deixá-la às moscas sem ser alimentada.Antes fazer um trabalho consistente em algumas que sejam principais dentro da sua estratégia do que dividir seus esforços e não fazer um bom trabalho em nenhuma delas.10. Tenha objetivosImagine uma partida de futebol que não possui traves para delimitar a área do gol? Fica difícil saber para onde chutar a bola, concorda? Da mesma forma devemos considerar a nossa estratégia de marketing digital nas redes sociais.Cada peça, cada conteúdo, cada estratégia deve ser executada de acordo com algum objetivo previamente estabelecido. Do que você mais precisa?Aumentar sua visibilidade? Melhorar a sua imagem?Aprimorar o relacionamento com os seus públicos? Se você não souber onde quer chegar, não vai saber que ações são mais eficientes para obter determinado tipo de retorno.11. Acompanhe as métricasMedir o seu desempenho é um processo fundamental em todas as etapas do marketing digital, inclusive para a sustentação da sua produção de conteúdo para as redes sociais.Algumas métricas importantes para se analisar são: a visualização, o engajamento, a conversão e as informações de comportamento de seu público em relação a cada conteúdo postado.Através das métricas, você poderá retirar insights poderosos sobre o que, quando, como e de que forma o seu conteúdo impacta melhor a sua audiência.12. E use as métricas ao seu favorE é aí que entra a inteligência do negócio! A análise das métricas é um aliado incrível na hora de criar a sua estratégia de conteúdo, pois você irá extrair as informações que o seu próprio público irá te fornecer através das ações dele em suas páginas!Ao analisar os dados obtidos, você consegue perceber que tipo de conteúdo está impactando melhor a sua audiência e investir ainda mais neste formato.Além disso, através de ferramentas como o Google Analytics, o Facebook Insights e outras diversas disponíveis, gratuitas e pagas, você consegue visualizar dados sobre sua audiência e o comportamento dela.Imagine que você descubra que grande parte do seu público também gosta muito de, por exemplo, jogos olímpicos? Ou que você saiba que grande parte deles tem o costume de acessar as redes sociais no horário de almoço?E mais ainda, que grande parte deles está acessando de dispositivos móveis? Percebe as possibilidades que todas essas informações te oferecem?A boa notícia é que a internet possui um inteligência de análise de dados muito competente e você pode usar isso muito a seu favor!13. Seu público nem sempre é você (ou o seu chefe!)Sabemos que é muito difícil nos distanciar de nossos valores e gostos pessoais na hora de pensar na produção de conteúdo para mídias sociais e na linguagem que vamos utilizar na hora de conversar em noma da marca para a qual estamos trabalhando, mas isso é muito importante!Não é porque você acha que Beatles é melhor do que Molejo que a sua audiência pensa da mesma forma, entende?E é fundamental que os seus gestores, especialmente os CEOs da empresa, também saibam que nem sempre as opiniões deles representam as da Persona.Esse distanciamento é algo difícil de ser realizado, mas, a partir do momento em que essa importância é internalizada por todos que trabalham com o marketing de conteúdo da empresa, os resultados melhoram significativamente!14. Tenha uma identidade e mantenha esse padrãoAs redes sociais são ambientes feitos, de forma geral, para promover a conversa entre pessoas. Digamos que, de certa forma, sua marca é quase que uma “intrusa” nesse ambiente.Por isso já falamos sobre a importância de ser “humano”. Uma outra dica relacionada a isso, é você criar uma identidade.Que tal criar uma Persona da sua marca? Ela não precisa ser aberta para as pessoas, como a Luiza, do Magazine Luiza, mas é interessante que você mantenha uma certa constância na forma de falar e que deixe uma personalidade implícita.Uma marca com uma forte presença é aquela que, quando posta algum conteúdo, todo mundo já sabe que foi ela que postou.Uma boa dica é criar um manual de identidade, com maneiras com a qual a sua marca costuma cumprimentar, responder dúvidas, se despedir, e até como ela escreve algumas palavras que possuem escritas de possibilidades variadas.Por exemplo, se a sua marca sempre escrever “e-book”, é interessante ela seguir escrevendo “e-book”, ao invés de ficar variando entre “Ebook” ou “ebook”. O legal de ter o manual é que várias pessoas podem consultar, e assim, a personalidade da sua marca nas redes sociais se torna algo independente de determinado profissional que esteja produzindo o conteúdo naquele momento.15. Preste atenção no que está acontecendoUtilizar de inspiração alguma situação atual, comentar algum evento de importância para sua Persona ou brincar com algum meme famosinho do momento são excelentes táticas para criar engajamento com o seu público, por isso é muito importante estar sempre ligado no que está acontecendo.Uma boa sacada deve vir no momento certo, pois perder o timing é o limite entre criar um viral e perder a piada. Além disso, observar como a sua audiência está se relacionando com determinado evento é fundamental, pois você pode dar uma bola fora fazendo algum comentário que não seja adequado ou contrário à opinião da maioria do seu público.Na dúvida, é sempre bom evitar assuntos muito polêmicos, mas o bom senso pode ser um bom guia na hora de definir o que pode ser aproveitado.(Fonte: Rock Content) Saiba Mais

Facebook proíbe deepfakes: entenda o que isso significa para a produção de conteúdo na rede

Facebook proíbe deepfakes: entenda o que isso significa para a produção de conteúdo na rede

Vídeos digitalmente manipulados podem passar despercebidos a olhos menos atentos. Entenda a postura de diferentes redes sociais sobre esse tipo de conteúdo e por que a partir de agora Facebook proíbe deepfakes em suas plataformas.2020 é ano de eleições nos Estados Unidos e esse é um dos principais motivos para que diversas redes sociais tenham criado políticas de segurança com relação às deepfakes.Os conteúdos criados a partir da manipulação de imagens e/ou sons chamam atenção no país comandado por Donald Trump desde maio de 2019, quando um vídeo alterado da porta-voz do presidente viralizou.Enquanto Snapchat e TikTok seguem investindo nessa tecnologia, o Twitter foi o primeiro a demonstrar preocupação e, desde a última segunda-feira, o Facebook proíbe deepfakes.Quer entender mais a fundo sobre esse tema e toda a polêmica envolvendo esses conteúdos? Então acompanhe este texto até o fim e confira:O que são deepfakes? O termo deepfake surge a partir da união da expressão deep learning (comum no universo da Inteligência Artificial e que pode ser traduzida como “aprendizagem profunda”) e a palavra fake, que simplesmente significa “falso”.Assim, em resumo, tratam-se de conteúdos não verídicos (mais comumente vídeos) criados a partir da sintetização de imagens ou sons.O grande problema é que essa tecnologia tem sido aperfeiçoada e, cada vez mais, aumentam as chances de as alterações passarem despercebidas a olhos menos atentos. E, além disso, de serem usadas com intuitos para além do humor, especialmente em épocas de eleições.Como as redes sociais lidam com esse conteúdo? O Snapchat foi um dos grandes responsáveis pela popularização de fotos e vídeos manipulados a partir do deep learning. Vai dizer que você não lembra da febre dos filtros que mostravam nossos rostos como bebês, como senhores de idade ou em uma versão em outro gênero.O famoso face swap, que troca o seu rosto com o de um colega (ou com o seu animal de estimação), também segue a mesma lógica.A plataforma segue investindo em tecnologias que facilitam a criação desse tipo de conteúdo e ela não é a única.O Tik Tok anunciou que está trabalhando na criação de filtros dentro do próprio aplicativo que permitam aos usuários acrescentar seus rostos em trechos de outros vídeos disponibilizados na rede.Enquanto algumas plataformas se utilizam das deepfakes para gerar conteúdos humorísticos, outras se mostram contrárias — ou ao menos preocupadas com esse tipo de conteúdo.A primeira delas foi o Twitter. Ainda em Outubro de 2019, a empresa lançou um questionário a seus usuários, perguntando se esse tipo de conteúdo deveria ser simplesmente banido ou apenas sinalizado na plataforma.Esta semana, foi a vez da empresa de Mark Zuckerberg levantar a bandeirinha amarela com relação a esses conteúdos, como explicamos melhor a seguir.É verdade que agora o Facebook proíbe deepfakes? Sim, é verdade. A nova medida foi anunciada logo na primeira segunda-feira do ano (6), por meio de uma publicação no blog da empresa assinada pela Vice Presidente Monika Bickert.De acordo com o texto, os vídeos serão removidos a partir de dois critérios (aqui apresentados em tradução livre):Quando editados ou sintetizados — para além de melhorias de iluminação ou de qualidade — de forma que a mudança não fique clara a uma pessoa leiga e que tenha o potencial de levar os usuários a acharem que a pessoa no vídeo falou algo que em realidade não tenha falado;Quando for resultado de inteligência artificial ou machine learning que mescle, substitua ou aplique conteúdo em um vídeo, de forma a parecer uma produção autêntica.Vale salientar que a política é válida tanto para anúncios como para publicações normais, mas protege paródias, sátiras e vídeos editados apenas com a intenção de omitir ou alterar a ordem de palavras em um discurso.Os vídeos que não seguirem esse critério passam, então, a ser elegíveis à revisão dos fact-checkers independentes e terceirizados, outra política recente do Facebook no combate às fake news.O que isso significa para o próprio Facebook? O posicionamento do Facebook sobre esses conteúdos antes das eleições dos Estados Unidos reforça seu posicionamento de marca contra a disseminação de fake news.Por outro lado, pode trazer mais cobranças de críticos e analistas, que certamente acompanharão de perto o cumprimento das regras anunciadas.O que inclusive já aconteceu. Algumas críticas apontam a fragilidade da política adotada pelo Facebook. Uma delas sinaliza que o viral que mostra a porta-voz de Donald Trump aparentemente bêbada, que citamos no começo deste texto, não seria removido caso publicado hoje.O que isso significa para os usuários?Para os usuários, a política serve como um alerta de que os vídeos modificados realmente podem passar despercebidos e que é preciso redobrar a atenção quanto ao consumo e compartilhamento desses materiais — inclusive daqueles sinalizados como humorísticos.Além disso, como os conteúdos serão analisados por profissionais reais — e não por robôs — fica o alerta para que os próprios usuários utilizem os mecanismos de denúncia dentro do próprio Facebook, sempre que suspeitarem da autenticidade de um vídeo.Para marcas e produtores de conteúdo, o alerta é o de usar a tecnologia com ética e moderação, buscando formas de sinalizar as alterações feitas (sim, a gente repete: inclusive em conteúdos humorísticos).Ainda que polêmica, a decisão do Facebook de proibir deepfakes mostra a preocupação da rede com esse tipo de conteúdo e reforça seu posicionamento contra a disseminação de fake news — algo que pode fazer a diferença para os negócios da empresa depois da crise de Cambridge Analytica.Nos resta aguardar e acompanhar o papel das redes sociais em mais essa corrida presidencial!(Fonte: RockContent) Saiba Mais

Clientes

Contato