Como se comunicar com mais clareza e causar boa impressão no trabalho

Como se comunicar com mais clareza e causar boa impressão no trabalho

Quem valoriza a palavra cuida do mundo; um profissional atento à imagem pessoal busca comunicar-se com clareza, exercitando-se diariamente para causar boa impressão.

CONCISÃO
No mundo corporativo (e também fora dele), brevidade e clareza no falar e no escrever são motivos para elogios, uma vez que ocasionam a produtividade. O receptor da mensagem – chefia, colaboradores, equipe, cliente – valorizará muito o hábil em “ser direto ao ponto”.

COMO SER BREVE
Locuções informais, excessivas e deselegantes podem ser substituídas por verbos bem escritos e bem pronunciados. Em vez de “A gente vai fazer, a gente vai criar, a gente vai estar pensando”, podem ser praticadas em alto e bom tom:

– Nós faremos (com a devida atenção à concordância);
– Nós criamos, nós criaremos;
– Nós estamos pensando, nós pensamos, nós pensaremos.

TWITTER E LINKEDIN: MÍDIA RÁPIDA
Na Escrita, um ótimo exercício está em redigir constante nas Mídias Sociais, respeitando o espaço proposto. Desafie-se sempre a diminuir orações e parágrafos, sem tanta perda informativa. Em vez de “Hoje em dia, os profissionais da área tecnológica estão cada vez mais buscando o Bitcoin (…)”, é suficiente “Com a crescente busca por Bitcoin, (…)” para atingir o leitor.

TEMPO PARA EXPOSIÇÃO
Ciente da ideia a ser exposta, é iniciar o trabalho com o cronômetro. Gosto do seguinte exercício: em 1, 5, 10, 30, 50 minutos, fale sobre a ideia. Semanalmente, reserve um espaço para gravar-se e assista a esses vídeos.

Anote sua dificuldade e enfrente-a. Isso melhorará muito o seu dia a dia comunicativo.
Espelhe-se em um bom comunicador, mas jamais o imite. Naturalidade é um fabricante de admiração.

CONVENCIMENTO E ADMIRAÇÃO
Falantes persuasivos e escritores finos são observadores: assistem a palestras diversas, reconhecem diferentes níveis de linguagem, estudam Metáforas e Ironias, desenvolvem um estilo e têm repertório literário. Sabem pontuar um discurso.

São bons leitores de mundo, aplicam bem os gestos, as expressões faciais, a coloração da vestimenta e reconhecem o grau de satisfação do público. Querem sempre melhorar.

O bom “contador de histórias” vive histórias, aprende sempre com as personagens e é sensível diante da Mestra Palavra.

(Fonte: Exame)

Lista de notícias

Contato